O que eu levaria para o quarto no fim do mundo

288

Considerando essa hipótese surreal, supondo que eu vá parar no paraíso e levando em conta que, para mim, o quarto é a melhor parte da casa, não tem problema  se minha lista é praticamente interminável e que o tal aposento, como o conhecemos, não possa comportar todas as coisas que eu adoro.

Pelas dúvidas, já estou preparando minha “relação” de desejos.

Ela é infinita. Mas não se preocupe, aqui vai apenas uma parte:

Uma parede de pedra:

Essa composição inteira, inclusive a mesa do Piero Fornasetti para o cantinho de trabalho:

Uma varanda igualzinha a esta com janelas de vidro para o verde:

Uma parede com ripas de madeira, assim, bem rústica:

Um pouco da cor turquesa e luminárias japonesas:

Lareira e uma colcha de crochê:

Essa cadeira de balanço…

Uma cadeira Charles Eames:

Bem, gostaria de levar também outras peças de designers como os Imãos Campana, Sérgio Rodrigues, Paulo Mendes da Rocha (cadeira paulistano), Joaquim Tenreiro,  Patricia Urquiola, entre outros.

Almofadas listradas, florais e coloridas:

Janelas de vidro e esse tom de verde da colcha:

Muito vidro para ver o verde:

Uma cama embutida em um tablado pra eu me espalhar bem:

Uma varanda com uma linda vista para tomar café da manhã:

Uma parede de tijolinho aparente:

Mansarda:

Uma parede de cimeto queimado e uma combinação de turquesa com roxo:

Uma cômoda bombe customizada:

Um jogo de cama todo branquinho e velas:

Algumas letras:

Um baú vintage aos pés da cama ou como mesa de cabeceira:

Galhos e flores:

Patchwork:

Um toque provençal:

Uma cabeceira de biombo:

Uma luminária focal com muito estilo:

Um cantinho de leitura, uma mesa para o laptop:

Uma foto minha:

Uma pintura de Suzanna Schlemm:

Um dossel moderno:

Uma cabeceira vitoriana, chipandelle ou Luis XV:

Tecidos bordados ou com estampas especiais:


Uma colcha com tecido suzani:

Uma TV de última geração, meus CDs de música e um móvel igual a este:

Luz do dia e uma iluminação intimista e dimerizada para a noite:

Simplicade e aconhego:

Um toque floral:

Tecidos indianos:

Esta poltrona da Infintta Decoração e Expressão:

Alguns elementos clássicos:

Uma pegada amarela:

Uma chaise long vintage:

Uma saia de colchão com lugar para guardar controle remoto e outros objetos de primeira necessidade:

Capitonê:

Uma cadeira como mesa lateral:

Lambri:

Um pufe redondo e baixo de tirar o fôlego como este:

Uma cortina translúcida com blackout para dormir à noite:

Teto com vigas de madeira bruta:

Ótimos organizadores:

Um tapete felpudo e macio:

Delicadeza e suavidade:

Uma ducha com LED de várias cores para fazer cromoterapia:

Uma banheira vitoriana para relaxar olhando esta vista:

Uma maca para massagens:

Um tapete floral para o closet:

Ah,  um depósito ao lado para guardar tudo isso para poder exercer minha liberdade de expressão mudando a decoração com novas composições, de tempos em tempos.

Poderá gostar também de:

        

Share.

About Author

Este blog é de autoria da decoradora, organizadora de interiores, consultora em decoração e organização, Veronica Fraga, que também é fotógrafa, jornalista e colunista da Revista Rio Arquitetura e Design. Uma pessoa multifacetada e apaixonada por tudo o que é ligado a estética.

Leave A Reply